Cinema

Curta metragem
A invenção da infância - Liliana Sulzbach (2000)
A origem dos bebês segundo Kiki Cavalcante - Anna Muylaert (1995)
A televisão não será revolucionada - Media Sana (2006)
A viagem à lua (Le voyage dans la lune) - Georges Méliès (1902)
Adão e Eva bloco 1 bloco 2 - Gisela Rodriguez e Tiago Agne (2009)
Attic panic - David F. Sandberg & Lotta Losten (2015) (Behind the scene)
Balada das duas mocinhas de Botafogo - F. Valle, João C. Feyer (2006)
Cam closer - David F. Sandberg & Lotta Losten (2013)
Coffer - David F. Sandberg & Lotta Losten (2014)
Está lá? É do inimigo? - Pedro Lobito Jel (2003)
Festival do minuto - Canal no Youtube
Guernica - Alain Resnais e Robert Hessens (1949)
Ilha das flores - Jorge Furtado (1989, mas atual)
Itaquera-futebol em seu quintal - Daan Dekker, Ron Santing (2014)
Lights out - David F. Sandberg & Lotta Losten (2013) (Demon face effect)
No bar - Cleiton Stringhini e Paulo de Tarso Mendonça (2002)
Not so fast - David F. Sandberg & Lotta Losten (2014)
Novela vaga - Beto Valente e Dado Amaral (2007)
O lobinho nunca mente - Ian Samarão Brandão Fernandes (2007)
One day - Duc Nguyen (2012)
Pequenos Tormentos da Vida - Gustavo Spolidoro (2006)
Pictured - David F. Sandberg & Lotta Losten (2014)
See you soon - David F. Sandberg & Lotta Losten (2014) (Making of)
Suit case - Farhan Aiman (2014)
Tarantino´s Mind - 300 ml (2006)
The Big Boy Show - Claudio Dager e Leandro Petersen (2004)
Vice-versa - Marcos Nauer Sampaio (2008)

Longa metragem
1984 - (Nineteen Eighty-Four) - Michael Radford (1948) - Reflexão  Reflexão BBC
20.000 léguas submarinas (20,000 leagues under the sea) - S. Paton (1916)
A adolescente (The young one) - Luis Buñuel (1960)
A dama de ferro (The iron Lady) - Phyllida Lloyd (2011)
A excêntrica família de Antonia (Antonia) - Marleen Gorris (1995)
A família Bélier (La famille Bélier) - Eric Lartigau (2014)
A festa de Babette (Babettes Gaestebud) - Gabriel Axel (1987)
A harpa da Birmânia (Biruma no tategoto) - Kon Ichikawa (1956)
A hora do lobo (Vargtimmen) - Ingmar Bergman (1968)
A língua das mariposas (La lengua de las mariposas) - J. L. Cuerdas (1999) legenda
A marvada carne - André Klotzel (1985)
A onda (The wave) - Alex Grasshoff (1981) - Reflexão
A onda (The wave) - Dennis Gansel - (2008)
A revolução dos bichos (Animal farm) - John Stephenson (1999)
A teoria de tudo (The theory of everything) - James Marsh 2014
A última gargalhada (Der letzte Mann) - F. W. Murnau (1924)
A vida em um dia (Life in a day) - Youtube, R. Scott e K. MacDonald (2010)
Abril despedaçado - Walter Salles (2001)
Adaptação (Adaptation) - Spike Jonze (2002)

Agostino d'Ippona - Roberto Rossellini (1972)
Alice no país das maravilhas (Alice in wonderland) - C. Geronimi, H. Luske e W. Jackson (1951)
Almas perversas (Scarlet street) - Fritz Lang (1945) HD
Amarelo manga - Cláudio Assis (2002)
Amor (Amour) - Michael Haneke (2012) (player PutLocker)
Átila , o rei dos hunos (Attila the hun) - Dick Lowry (2001)
Através de um espelho (Såsom i en spegel) - Ingmar Bergman (1961)
Aurora (Sunrise, a song of two humans) - Friedrich W. Murnau (1927)
Babilônia - Eduardo Coutinho (2001)
Baile perfumado - Lírio Ferreira e Paulo Caldas (1996)
Besouro - João Daniel Tikhomiroff (2009)
Bicho de 7 cabeças - Laís Bodanzky (2001)
Blaise Pascal - Roberto Rossellini (1972)
Cabra marcado para morrer - Eduardo Coutinho (1985)
Caçadores de obras primas (The Monuments Men) - George Clooney (2014)
Carandiru - Hector Babenco (2001)
Casa vazia (Bin-jip) - Kim Ki-duk (2004) - espanhol italiano inglês legenda
Caverna dos sonhos esquecidos (Cave of forgotten dreams) - W. Herzog (2010)
Central do Brasil - Walter Salles (1998)
Cinema, aspirina e urubus - Marcelo Gomes (2005)
Corra, Lola, corra (Lola rennt) - Tom Tykwer (1998)
Corumbiara - Vincent Carelli (2009)
Crime e castigo parte 1  parte 2 (Crime and punishment) - J. Simm / BBC (2002)
Demônios de São Petersburgo (I demoni di San Pietroburgo) - Giuliano Montaldo (2008)
Desmundo - Alain Fresnot (2002)
Doutor Jivago (Doctor Zhivago) - David Lean (1965) (es) legenda
Dr. Mabuse, der Spieler (Dr. Mabuse, o jogador) - Fritz Lang (1922) 
Edifício Master - Eduardo Coutinho (2002)
Em busca do ouro (The gold rush) - Charlie Chaplin (1925)
Entre os muros da escola (Entre les murs) - Laurent Cantet (2008)
Estômago - Marcos Jorge (2007) página
Fahrenheit 451 - François Truffaut (1966)
Farrapo humano (The Lost Weekend) - Billy Wilder (1945) HD
Fausto, um conto popular alemão (Faust, eine deutsche volkssage) - Friedrich W. Murnau (1926)
Fausto (Faust) - Aleksandr Sokurov (2011)
Fitzcarraldo - Werner Herzog (1981)
Freud, além da alma - John Huston (1962)
Frida - Naturaleza viva - Paul Leduc Rosenzweig (1983)
Frida - Julie Taymor (2002)
Germinal - Claude Berri (1993)
Heleno de Freitas - José Henrique Fonseca (2010)
Ida - Pawel Pawlikowski (2013) legenda
Imitação da vida (Imitation of life) - Douglas Sirk (1959)
Instinto (Instinct) - Jon Turtletaub (1999)
Jogo de cena - Eduardo Coutinho (2007)
Jornada da alma (Prendimi l'anima) - Roberto Faenza (2002)
Laranja mecânica (Clockwork orange) - Stanley Kubrick (1971)
Língua: vidas em Português - Victor Lopes (2002)
Luz de inverno (Nattvardsgästerna) - Ingmar Bergman (1962)
M, o vampiro de Dusseldorf (M) - Fritz Lang (1931)
Menos que nada - Carlos Gerbase (2012)
Metrópolis (Metropolis) - Fritz Lang (1927)
Morangos silvestres (Smultronstället) - Ingmar Bergman (1957)
Moscou - Eduardo Coutinho (2009)
Nada de novo no front (All quiet on the Western Front) - Lewis Milestone (1930) legenda
Noites de Circo (Gycklarnas afton) - Ingmar Bergman (1953)
Nós que aqui estamos por vós esperamos - Marcelo Masagão (1998)
Nosferatu, uma sinfonia de horrores (Nosferatu, eine Symphonie des Grauens) - Friedrich W. Murnau (1922)
O artista (The Artist) - Michel Hazanavucius (2012)
O auto da compadecida - Guel Arraes (2000)
O Capital (Le Capital) - Konstantinos "Costa" Gavras (2012)
O cheiro do ralo - Heitor Dhalia (2007)
O Desafio de Darwin (Darwin's Darkest Hour) - John Bradshaw (2009)
O encouraçado Potemkin - Sergei Eisenstein (1925)
O enigma de Kaspar Hauser (Jeder für sich und Gott gegen alle) - Werner Herzog (1974)
O fabuloso destino de Amélie Poulain (Le fabuleux destin d'Amélie Poulain) - Jean-Pierre Jeunet (2001)
O fim e o princípio - Eduardo Coutinho (2005)
O fio da memória - Eduardo Coutinho (1991)
O grande ditador (The great dictator) - Charlie Chaplin (1940)
O grande hotel Budapeste (The Grand Budapest Hotel) - Wes Anderson (2014)
O homem que copiava - Jorge Furtado (2003)
O homem que desafiou o diabo - Moacyr Góes (2007)
O invasor - Beto Brant (2002)
O nome da rosa (Der name der Rose) - Jean-Jacques Annaud (1986)
O poderoso chefão (The Godfather) - Francis Ford Coppola (1972)
O processo (The trial) - Orson Welles (1962)
O que é isso, companheiro - Bruno Barreto (1997)
O rito (Ritten) - Ingmar Bergman (1969)
O segredo dos seus olhos (El secreto del sus ojos) - Juan José Campanella (2009)
O sétimo selo (Det sjunde inseglet) - Ingmar Bergman (1956)
O silêncio (Tystnaden) - Ingmar Bergman (1963)
O testamento do dr. Mabuse (Das Testament des Dr. Mabuse) - Fritz Lang (1933)
Olga - Jayme Monjardim (2004)
Sombras de Goya (Goya's ghosts) - Milos Forman (2006)
Panteras negras (Panthers) - Mario Van Peebles (1995)
Peões - Eduardo Coutinho (2004)
Ponto de mutação (Mindwalk) - Bernt Capra (1991)
Quanto vale ou é por quilo? - Sérgo Bianchi (2005)
Que Mal Eu Fiz a Deus? (Qu'est-ce qu'on a fait au Bon Dieu?) -  Philippe de Chauveron (2014)
Raul: o início, o fim e o meio - Walter Carvalho (2012)
Relatos selvagens (Relatos salvajes) - Damián Szifron (2014)
Rembrandt - Charles Matton (1999) legenda
Sargento Getúlio - Hermano Penna (1982)
Sede de viver (Lust for life) - Vincente Minnelli (1956) - legenda
Selma - Ava DuVernay (2014)
Sócrates - (Socrate) - Roberto Rossellini (1971)
Tempos de paz - Daniel Filho (2009)
Tempos modernos (Modern times) - Charlie Chaplin (1936)
Todo lo que tú quieras - Achero Mañas (2010)
Trem noturno para Lisboa (Night train to lisbon) - Bille August (2012)
Um toque de pecado (Tian Zhu Ding) Jia Zhang-ke (2013)
Vergonha (Skammen) - Ingmar Bergman (1968) legenda
Via Láctea (La Voie Lactée) - Luis Buñuel (1969)
Whiplash - Em busca da perfeição (Whiplash) - Damien Chazelle (2015)

Documentário sobre arte
Altamira, história de um descobrimento
Bernini
Caravaggio O poder da arte  Anjos e carrascos 
Chauvet Chauvet (32 mil anos atrás, o princípio da arte) legenda
Como a arte fez o mundo
Da Vinci
David
Escher 
Gaudí
Klee
Lascaux (pré-história da arte)
Michelangelo
Picasso
Rembrandt legenda
Rothko 
Turner
Van Gogh (1990)  (2006) (2010)

Documentários adaptado de livros
20.000 léguas submarinas - Julio Verne
A Origem das Espécies - Charles Darwin - Extras
Alice no país das maravilhas - Lewis Carroll
Drácula - Bram Stoker
Nada de novo no front - Erich Maria Remarque
O Grande Gatsby - Scott Fitzgerald

Especiais
A arte da câmera lenta - Julian Palmer (2016) (em inglês)
A arte do roteiro - Entrevista - Robert McKee (2013)
A câmera de Dib Lutfi - Marcia Derraik Barbosa (1997)
A criação do roteiro - TV Guia do Ator
Bergman e o cinema (2004)
Captação de som direto no cinema - Geraldo Ribeiro
Celebridades anônimas - Dubladores
Cinema brasileiro - Programa Diverso - parte 1 - parte 2
Cinema marginal - Programa Diverso - parte 1 - parte 2
Como uma história deve começar? - Escola de Roteiro
Crime e castigo (Grandes livros) - Marijo Dowd e Foster Wiley
Crime e castigo (Literatura fundamental) - Elena Vássina / UnivespTV (2013)
Documentários: Especial - Observatório da Imprensa (2011) - parte 1 - parte 2 - parte 3
Dublador e narrador: Jorgeh Ramos, a voz do cinema
Dubrasil - Central de Dublagem - Canal com making of
Eduardo Coutinho - A entrevista como arte do encontro no documentário
Efeitos especiais - Resumo de efeitos em cinema e TV
Efeitos especiais - Sobreposições no mar
Efeitos sonoros - Base de dados da BBC com 16 mil arquivos wave.
Efeitos visuais - Indústria do vídeo
Fala, jovem doutor - Cinema Brasileiro na Estrada - C. P. Gonçalves
Fala, jovem doutor - Grande Otelo e o cinema brasileiro - L. F. Hirano
Fausto (Literatura Fundamental) - Eloá Heise / UnivespTV (2013)
História da Arte - UnivespTV
I. Bergman & E. Josephson - Reflexiones sobre la vida, la muerte y el amor
Liv Ullmann - Almanaque (2012)
Michinima: O cinema da era do videogame - Arlindo Machado
Montagem - Daniel Rezende
No Estranho Planeta dos Seres Audiovisuais - 02 Filmes
O cinema de Ingmar Bergman - um dois três - CCBB (2012)
O guia pervertido do cinema - Slavoj Zizek (2006)  parte 1  parte 2  parte 3
Os donos das vozes - Especial dublagem
O papel do diretor - TV Guia do Ator parte 1  parte 2
O que é? Filme Cult - Canal Zero
Processo de criação com Laís Bodanzky e Suzana Amaral parte 1  parte 2
Quem foi Kafka (Wer war Kafka) - Lea Produktion / ARTE France Richard Dindo (2005)
Universidade de Cinema - Deutsche Welle


Linguagem cinematográfica
Conceitos cinematográficos  - Conacine - Meus 2 centavos
Cor e preto e branco
Direção de arte
Edição e montagem
Efeitos especiais
Enquadramento
Fotografia
Interpretação
Movimento
Narrativa
Produção
Roteiro
Sem palavras
Som

(Série Por trás da cena, da MultiRio. Direção de Rodrigo Montenegro e roteiro de Igor O. Coelho)


Behind the scene - David F. Sandberg  
Color correction 1 - David F. Sandberg
Color correction 2 - David F. Sandberg
Demon face - David F. Sandberg
Film Meets Art - Vugar Efendi
Film Meets Art II - Vugar Efendi
The making of a 14 second film - David F. Sandberg
The importance of sound - David F. Sandberg

Música cinematográfica
Bernard Herrmann
Música de cinema

Portais de Cinema online
Archive
Assistir Filmes Online
Banco de Conteúdos Culturais 
Cine Antiqua 
Cinema Libre portal 1  portal 2
Cinemateca
Crackle
Filmes Clássicos
Filmes Cult
filmes online grátis
Internet Archive
Mega Filmes HD
Rede Filmes Online
Shortfil
sundaytv
TeleCineBrasil 

Textos
Os Sete Pecados Capitais da Crítica - François Truffaut
Fala-se sempre das estrelas e dos cineastas, dos gostos e desgostos de uns, das manias de outros. Nas margens do cinema, entretanto, existe uma profissão ingrata, laboriosa e mal conhecida: a de “crítico cinematográfico”. O que é o crítico? O que ele come? Quais são seus hábitos, seus gostos, suas manias? O artigo que se segue tem como objetivo apresentar melhor esse artesão desinteressado que trabalha na sombra das salas ditas escuras.
O aparato financeiro e publicitário do cinema e o prestígio das estrelas são tamanhos que a crítica, ainda que unanimemente desfavorável, seria impotente para brecar a marcha para o sucesso de um filme ruim com grande orçamento. O crítico só é eficaz a respeito dos pequenos filmes ambiciosos, mas sem estrelas.
Citarei dois exemplos opostos que representam dois “casos-limites”: Le pain vivant e A estrada da vida. O destino desses dois filmes dependia unicamente da opinião da crítica. O primeiro foi unanimemente espinafrado, o que teve como conseqüência interromper a exibição. Jean Mousselle, diretor de Le pain vivant, está distante de conseguir dirigir outro filme.
Com A estrada da vida – de que sabemos que bateu todos os recordes de “ocupação das salas” -, sem a crítica não se teria mantido em cartaz mais de três semanas; em vez disso, vai ter um retorno de dez ou quinze vezes o que custou.
Como a influência da crítica só é exercida sobre um filme entre vinte, estaria na ordem das coisas que a crítica cinematográfica fosse a mais livre, portanto a mais inteligente. Vamos ver que não é o caso e como isso se dá.

Ignorância da história
1) O crítico se deleita na ignorância total da história do cinema. É fácil constatar isso em virtude do remake. Se o remake for anunciado, em caráter oficial, o crítico (para parecer erudito) escreverá que o antigo filme foi “retomado” “plano por plano”, o que jamais se produziu. Se o remake não for anunciado, o crítico não perceberá isso. (Exemplos: Lure of the Wilderness, de Negulesco, era o remake de L’étang tragique, de Jean Renoir, La flèche brisée, de Dmytryck, o de Sangue do meu Sangue, de Mankiewicz).
Aliás, o crítico, antes de redigir sua resenha, consulta freqüentemente as “histórias do cinema”: como estas abundam em erros, ele os copia. No mês passado, vários colegas, entre eles Jean Dutourd (Carrefour) e François Nourissier (NNRF) atribuíram o Vulcano, de Dieterle, a Roberto Rossellini. Simplesmente haviam encontrado essa falsa informação na História do cinema, de Georges Sadoul. Imagina-se que, se copia erros materiais, o crítico não se repugna em repetir por conta própria pontos de vista que não valem mais que a documentação que os acompanha. Foi também Georges Sadoul (Les Lettres Françaises) quem atribuiu ao grande chefe-operador Robert Burks a paternidade de Disque M para matar.

2) O crítico de cinema ignora não apenas a história de sua arte, como também sua técnica. Quantos deles sabem o que significa “um raccord no eixo” ou uma “whip pan”? Claro, não são obrigados a ser muito sábios sobre isso, mas por que fingir conhecer alguma coisa? Alguns exemplos:
Georges Charensol (Les Nouvelles Littéraires) espantava-se que Os homens preferem as louras fosse exibido numa tela normal; para ele, era um filme em cinemascope. Meu ilustre colega deveria saber: a) que esse filme foi filmado antes do cinemascope; b) que se tivesse sido filmado em cinemascope, não poderia ser projetado de outra forma.
O filme de Hitchcock Festim Diabólico comporta única e exclusivamente cinco planos; Disque M para matar, do mesmo Hitchcock comporta cerca de quatrocentos, o que não impediu Louis Chauvet (Figaro) de escrever: “Disque M para matar é uma peça policial filmada como Festim diabólico, de um fôlego só, ou quase isso”.
Mostrei a vários de meus colegas esta outra recente frase de Louis Chauvet; como ninguém conseguiu encontrar uma explicação para ela, entrego-a à perspicácia dos leitores: “Acrescento que um diretor preocupado com cinema puro [?] teria provavelmente preparado, depois explorado, de forma mais enérgica os episódios angustiantes por meio de uma outra disposição das iluminações [?] e sem prejuízo para a autenticidade.”Louis Chauvet talvez esteja confundindo o diretor com o chefe-eletricista...

Balzac contra Frison-Roche

3) O crítico define-se por sua ausência total de imaginação, caso contrário faria filmes em lugar de discuti-los. Daí o desprezo que professa pela imaginação dos outros. Quantas vezes não observamos estas palavras sob sua pena: “Salvo uma breve pesca ao atum, nada de interessante neste filme”, ou “O autor deveria ter renunciado à sua trama em prol de um documentário sobre borboletas”? É em suma o triunfo de Frison-Roche sobre Balzac e de Norbert Casterets sobre Stendhal. Jean-Jacques Gautier é o paladino dessa forma de crítica.

4) Não se “faz” uma carreira de crítico sem conhecer um dia ou outro Delannoy, Decoin, Cayatte ou Le Chanois, ao passo que Mankiewicz, Hitchcock, Preminger ou Hawks estão a milhares de quilômetros. Resulta daí uma espécie de chauvinismo mais ou menos consciente. André Lang (France-Soir), se não é o maior crítico, é em contrapartida e de longe, o mais “patriota”; lendo-o regularmente, percebemos que nada do que é em francês lhe é indiferente.
Eis algumas críticas: Village magique: “Essa aldeia mágica de renda e de sol perfumada pelo ar marinho...”; Oasis: “O resultado encanta o olho”; Le port du désir: “Um filme copioso e dinâmico...”; Les évadés: “... esse emocionante sucesso justamente homenageado com o Grande prêmio do Cinema Francês...”; Futures vedettes: “Um tema de ouro, tratado com espirituosidade”.
Pode-se achar que André Lang que estimula os leitores de France-Soir a irem ver todos esses filmes, só erra por ser excessivamente indulgente; eis por que o que ele escreve sobre A condessa descalça, filme americano que intriga bastante aqueles a quem não entusiasma: “O filme é ainda mais estúpido que o título.” Eis um argumento bastante frágil e peremptório.
Razzia sur La chnouf, que ganhou elogios de André Lang, seria um título mais inteligente? E que pensar de uma peça que se intitulasse Frágil?

A política dos autores

5) O crítico é insolente e professoral. Roger Régent, ao sair de Rififi, queria aconselhar Dassin a cortar quinze minutos no hold-up científico. E o que restaria de O coche de ouro se cada um desses senhores pudesse cortar tal cena que o incomodasse, tal plano que o entediasse? A crítica cinematográfica tem suas convenções: se tal filme estiver assinado Fulano, ninguém o apontará como obra-prima; “o rigor protestante de Jean Delannoy”, “Fernandel, ator trágico”...
A crítica funciona segundo a “lei da alternância”; segundo Giraudoux: “não há obras, há somente autores”; para o crítico de cinema, é tudo ao contrário: não há autores, e filme é como maionese: ou fica bom ou desanda. É aí que intervém a lei da alternância.
A crítica ama um filme de Jean Renoir em cada dois, sistematicamente.
O crítico, que ignora a história do cinema e sua técnica, que não conhece nada sobre a elaboração de um roteiro, só pode julgar pelas aparências, pelos sinais exteriores de ambição.
Os críticos julgam os filmes pelas “intenções” de seus autores. Seu desconhecimento da história e da história do cinema, bem como das condições de roteirização dos filmes e de sua execução, faz com que eles (os críticos) sejam incapazes de remontar às intenções, a menos que estejam evidentes, anunciadas no cartaz na entrada do cinema. A incompetência e o preconceito fazem um belo par. Trata-se portanto de julgar, peãs intenções de cada um, filmes cujas próprias intenções não se consegue apontar.

Explosão da crítica

7) O cinema – como, de resto, todas as artes – ficou complicado demais para cérebros que deram o melhor de si mesmos em 1925.
Não surpreenderia que logo viéssemos a assistir à explosão da crítica. Jacques Lemarchand confessou que não entendeu patavina da peça Le maître et la servante, André Billy confessou sua perplexidade diante de Les Portes Dauphines, e semana passada M. Emile Henriot (da Academia Francesa) dizia aos leitores do Le Monde que, depois de duas leituras sucessivas do Voyeur, sentia-se incapaz de dizer seu tema. Quando essa franqueza vai chegar aos nossos colegas do cinema?
Será que Lequel admitirá não ter entendido nada de A condessa descalça?
No estado atual das coisas, não há mais lugar para deplorar a impotência da crítica cinematográfica em relação à onipotência da crítica dramática.
Na verdade, o crítico cinematográfico, quando sai do cinema, não sabe o que pensar do que acaba de ver. Busca uma opinião junto a seus colegas; o primeiro que falar tem razão, quem encontrar uma bela “fórmula” triunfa.
Com alguma habilidade, um crítico “inteligente” que queira “promover” um filme “difícil” pode conseguir isso escrevendo sua resenha antes de seus colegas. Nas palavras deles, encontrará adaptado, quando não “repensado”, o essencial de sua argumentação. O caso produziu-se recentemente por ocasião de um excelente filme cujo nome não posso dizer.
Curioso exercício, curiosa profissão. Na verdade, recomendo-lhes: “Não dêem tanta importância aos críticos”. (Arts, 1955)
Extraído de: http://cantinhodoocio.blogspot.com/2010/05/os-sete-pecados-capitais-da-critica.html

Diretores brasileiros
Beto Brant - Itaú Cultural
Cacá Diegues - Jogo de ideias parte 1  parte 2
Carla Camurati - Canal do Youtube - UOL Cinema
Carlos Reichenbach - Provocações
Eduardo Coutinho - Observatório da Imprensa  Conversa na PUC-SP  Crônica
Fernando Meirelles - Omelete - Sonhar TV - Diretores latinos parte 1  parte 2
Hector Babenco - Metrópolis - Diretores latinos parte 1  parte 2  parte 3
João Moreira Salles - Portal Tela Brasil
Jorge Furtado - Tela Brasil - Jogo de idéias
José Padilha - Alerj Debate - TV Millenium - Sangue Latino - Roda Viva
Nelson Pereira dos Santos - parte 1  parte 2  parte 3  parte 4
Ugo Giorgetti - Entrevista Provocações #176 pt. 1  pt. 2 / #582 pt. 1  pt. 2  pt. 3

Sítios relacionados
AFI - American Film Institute
Associação Brasileira de Cinematografia - abc
Associação Brasileira de Críticos de Cinema - Abraccine
Cinédia
CinemaScópio
Conheça a tecnologia 4K
É tudo verdade - Festival Internacional de Documentário
Evolução tecnológicas das salas
Feciba - Festival de Cinema Baiano
Glossário técnico
História do Cinema Brasileiro
Mostra Internacional de Cinema
Papo de cinema
Roteiro de Cinema News
Sinopse reveladoras e humoradas
Tela Brasil


"Os vingadores" monopolizam salas e quebram acordo com Ancine. Metrópolis 8/5/2015.



Curta o curta Aldeia, de Geraldo Pioli (2000), e descubra que não são 10 os mandamentos.



Tenebroso... assustador... arrepiante. Não, é só um filme...